Piranha vermelha-Pygocentrus nattereri

Compartilhe suas histórias e fotos sobre a piranha em nosso fórum clicando aqui!


SISTEMÁTICA


À piranha vermelha também chamada de outros nomes como piranha caju, piranha da barriga vermelha e piranha têm o seguinte nome científico: Pygocentrus nattereri.

Com a classificação abaixo você aprenderá muitas informações importantes sobre este peixe, e caso não saiba como funciona a classificação taxonômica e as regras de nomenclatura clique aqui.



Reino: Animalia

Filo: Chordata

Classe: Teleostei

Ordem: Characiformes

Família: Serrasalmidae

Gênero: Pygocentrus

Espécie: Pygocentrus nattereri, Kner, 1858


CARACTERÍSTICA FÍSICAS

P. nattereri é um peixe de escamas bem parecido com as outras espécies de seu gênero, provavelmente isso ocorre não só por elas serem "primas" mas também por ocuparem nichos semelhantes, o que consequentemente as fazem desenvolverem características análogas para lidarem com problemas semelhantes.

Seu corpo alongado e em forma de disco têm coloração cinza-escuro ou cinza-prateado na parte de cima e sua barriga é avermelhada.

Possui dorso convexo e um focinho rombudo bem arredondado e curto com mandíbula grande e numerosos dentes afiados.

Suas nadadeiras são bem semelhantes à das outras espécies de piranha, nadadeiras peitoral, ventral e anal são alaranjadas, a nadadeira anal possui raios assim como à dorsal que têm em média 14 raios moles ao contrário dos ciclídeos como a tilápia e à acará que possuem raios duros e afiados que servem de defesa contra predadores tipo à traíra e o marobá por exemplo.

Suas brânquias possuem até 15 arcos branquiais, seu tamanho máximo é de 30 centímetros.

E devido à essas características básicas citadas elas são bem fáceis de serem identificadas quando pescadas.


ALIMENTAÇÃO

Das várias espécies de piranha a maioria é vegetariana como o pacu têm papel vital na distribuição de sementes. A alimentação da piranha vermelha pode indicar como parte do ecossistema funciona e como ela se relaciona com outras espécies, inclusive as invasoras, e assim saber qual seu papel ecológico, por isso é importante saber seu padrão de alimentação ao longo de sua vida pois ao entendendo seus hábitos alimentares podemos saber quando houver alterações em seu nicho.Entender sua ecologia alimentar assim como de outros predadores é importante para sua conservação, por isso estudos que analisem seu conteúdo estomacal são necessários.

Alguns parentes vegetarianos das piranhas como o Pacu e à piranha-preta Serrasalmus rhombeus têm papel vital na distribuição de sementes.


A piranha vermelha pode se alimentar de crustáceos e insetos, vegetais e nematóides mas estes são apenas alimentos secundários, sua alimentação principal são outros peixes. Também são canibais atacando indivíduos da própria espécie ao menor sinal de fraqueza.

À maioria dos peixes teleósteos como à P. nattereri têm uma alimentação bastante versátil, talvez seja pelo fato de viverem em águas sazonais, e isso provavelmente selecionou indivíduos capazes de diversificar sua alimentação, pois quando o ambiente muda os alimentos disponíveis também mudam de acordo com o ambiente em que se encontram.

Uma boa alimentação é importante no desenvolvimento dos indivíduos, aumentando suas chances de sobrevivência e reprodução devido à maior energia obtida.

Usam principalmente o sentido da visão para encontrarem seus alimentos e capturam suas presas com seus dentes afiados.

São carnívoros que atacam em cardumes que podem variar de 3 à mais de 15 indivíduos, suas presas são atacadas quando estão distraídas ou demonstram alguma fraqueza, o que demonstra bem sua natureza oportunista.


REPRODUÇÃO

As piranhas vermelhas na natureza desovam frequentemente nas estações chuvosas quando há maior oferta de alimentos e também maiores chances de seus descendentes se espalharem por diversas regiões.

À fêmea desova em vegetações marginais de áreas inundadas onde o macho os fertiliza.

Normalmente lança os ovos entre as plantas aquáticas e após nascerem os pais cuidam deles nos primeiros dias, e tanto os machos quanto a fêmea afastam agressivamente outros peixes de seus ovos, o que mostra que este peixe de terrível reputação pode ter o que poderíamos vagamente chamar instinto maternal.

O ninho nada mais é do que uma depressão no cascalho do fundo mas as piranhas também sabem como cortar plantas com os dentes para formar uma concavidade para seus ovos, a fêmea lança centenas de ovos no fundo, os quais levam cerca de quatro dias para eclodirem.

Enquanto os ovos não eclodem os pais tomaram conta deles e afastaram qualquer intruso que chegar muito perto do ninho.

Os ovos se desenvolvem rapidamente e dentro de 24 horas depois de fertilizados, as estruturas básicas do peixe já estão se desenvolvendo.

Depois de nascerem os peixinhos com saco vitelino ainda não respiram e são tão pequenos que podem absorver oxigênio diretamente do ambiente.

Sem os pais para protegê-los elas rapidamente serviriam de alimento para outros peixes, neste período elas ainda vivem dos nutrientes retirados do saco vitelino.

Seus pais mantêm por elas uma vigília constante eles não comerão nada neste período, seu objetivo é inteiramente a sobrevivência da próxima geração da espécie.


COMPORTAMENTO

Seu comportamento se assemelha bastante ao dos lambaris, sendo muito ativo comparado à outras espécies, está sempre se movendo em busca de seus alimentos.

Geralmente nada em cardume, este comportamento de nadar em cardume pode servir tanto para à caça de suas presas como de proteção contra outros predadores.


Na maioria das vezes elas caçam suas presas de maneira individual o que indica que elas nadam em cardume muito mais para se protegerem de predadores do que para caçar, talvez elas apenas tolerem a presença umas das outras em troca de proteção.


Um dos seus pontos fracos é a sua sensibilidade à falta de oxigênio, um dos possíveis motivos para que isto ocorra é a sua alta atividade, como ela se move o tempo todo isso a faz gastar muita energia.


Neste momento é bom refletir que talvez ela não conseguisse sobreviver em ambientes de escassez onde os recursos alimentares são são poucos.


INTRODUÇÕES EM OUTRAS REGIÕES


A piranha vermelha junto com suas “primas” é um peixe nativo da América do Sul mas que não é encontrada no Chile, se encontra em vários estados brasileiros como Acre, Amapá, Espírito Santo, Amazonas, Mato Grosso Sul, Mato Grosso, Tocantins, Rondônia, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Piauí.


Assim como outras espécies naturais da região neotropical foi introduzida indevidamente em outras regiões como Ásia e Europa o que pode ameaçar seriamente espécies nativas dessas regiões, e infelizmente isso é um fato que ocorre em todo o mundo, causado por pessoas mal informadas que por diversos motivos os deixam escapar para à natureza ou simplesmente os descartam sem saber das consequências.


Também foi introduzida em alguns rios do Brasil onde não é nativa como o Rio Doce em MG, o que vem causando perda da biodiversidade e continua se dispersando para outras regiões através de canais ou pelas inundações causadas pelas chuvas.


Geralmente na maioria das vezes ela não é o único predador introduzido nos rios, costumam ser encontradas outras espécies invasoras como o Bagre-Africano e à Tilápia-do-Nilo entre outras.


À Mata Atlântica que é um dos biomas mais ameaçados devido ao desmatamento, e hoje com a introdução de espécies exóticas à situação fica ainda pior.


Peixes como o Lambaris e Carás que se movimentam frequentemente são alvos fáceis para estes predadores, por outro lado o hábito de nadar em cardume dos Lambaris os protegem do ataque de predadores, já os que ficam parados e camuflados como a Traíra correm menor risco de serem predados, mas isso são apenas hipóteses difíceis de se confirmar.


Alguns parentes vegetarianos das piranhas como o Pacu e à piranha-preta Serrasalmus rhombeus têm papel vital na distribuição de sementes.


AQUARISMO

É um peixe jumbo que fica muito bem em aquários de 400 a 500 litros com cerca de 15 indivíduos que podem ser alimentados com peixes, insetos ou filés.


Vale lembrar que elas ficam grandes e produzem uma grande quantidade de dejetos então você tem que ter um sistema de filtragem bem legal.


É um peixe bem complicado de ser mantido em aquário devido à sua característica predatória, manter carnívoros em aquário pode se tornar um grande desafio para quem é iniciante.


Como na natureza ela se alimenta de peixes e outros animais mortos, feridos ou fracos além de praticarem o canibalismo com frequência, (provavelmente por isso possuem a fama de monstros) e este comportamento em um aquário está longe de ser o ideal.

Mas algumas técnicas podem ser usadas para amenizar tais problemas:

  • Colocar peixes rápidos no aquário para que elas se distraiam perseguindo eles em vez de ficarem se atacando umas as outras.

  • Colocar plantas é bem interessante, já que elas gostam, ajuda à dispersa-las.

  • Ficar atento para a quando indivíduo começar a se afastar do cardume, isso significa que ele está fraco e como instinto de sobrevivência, ele se isolou para não ser atacado pelos demais. e logo que este problema se resolver ele voltará ao cardume.

DICAS DE PESCA

Podem ser pescadas com redes de malhar, tarrafas, com molinetes e carretilhas ou como é mais comum usar uma simples vara de bambu.


Como estamos falando de um peixe de dentes afiados, certos cuidados devem ser tomados como usar um fio de aço para prender o anzol pois o nylon é facilmente cortado por elas.


Uma técnica interessante que pescadores também usam é colocar um pedaço de peixe parcialmente dentro d’água, e quando elas começarem o frenesi alimentar, puxam este peixe para terra e elas vem juntas com seus dentes agarrados nele. Vamos lembrar que jamais se deve entrar na água durante estes frenesis!!!.


No momento de retirar o anzol de sua boca é deve-se usar um alicate para evitar mordidas terríveis.


É comum vermos pescadores darem pauladas em suas cabeças após pescá-las para evitarem de serem mordidos por seus poderosos dentes.


Outra característica bem marcante delas é que são ladrões de isca e se você quiser pescar outra espécie onde tiver muitas piranhas você terá sérios problemas.


Após pescadas, na região amazônica geralmente é feito o famoso caldo de piranha que é um prato muito popular naquela região onde é conhecido por ser afrodisíaco, muitos pescadores deste lugar atribuem sua virilidade à este prato saboroso.


Conheça também outras espécies de peixes:


japonês ou kinguios

Betta splendens

TAINHA

Cascudo-Hypostomus pusarum

Tamboata (Callichthys callichthys)

carpa-comum, Cyprinus carpio

LAMBARI DE RABO VERMELHO

Traíra

Barrigudinho (Poecília reticulata)

Acará

Acará-bandeira – Pterophyllum scalare

Tilápia tailandesa

Tilapia aurea

Tilápia moçambicana

TILÁPIA DO NILO

Marobá também chamado de jeju.



  • Facebook
  • YouTube